Dei pro meu amigo e pro travesti dele…

Um amigo meu havia me chamado pra ir à sua casa, pra
assistirmos uns filmes, jogarmos videogame, essas coisas. Até aí, nada demais. Ele mora sozinho, em
uma dessas kitnets do centro da cidade. Ele tem mais ou menos 1,80 de altura,
26 anos e vou chamá-lo de “P”. Quando cheguei lá,
ficamos trocando ideia, jogamos videogame e saímos pra comer. Assim que
entramos no elevador, um travesti entrou no elevador. Ele era realmente bonito!
Tinha um corpo bem definido, rosto fino, quase enganava se não fosse pelo gogó.
Meu amigo me cutucou discretamente e, assim que descemos do elevador, vieram os
comentários: “_Você
viu?” “_Vi. Quase engana! Né?!” “_Pera aí! Já volto!” e ele foi lá conversar
com o Travesti. Poucos minutos depois, ele voltou. “_Tá
no esquema!” “_Você tá louco, cara! Não vou sair com um
travesti!”. Apesar do tesão que eu sentia pra transar com um. Mas sabe
como é… Tinha que manter as aparências. “_Tá
bom… Você fica assistindo!” e acabamos voltando pro apê.
Chegando lá, os dois começaram a tirar a roupa. “P”
tinha uma rola enorme. Eu nunca o vira pelado antes e aquilo me deixou com um
tesão enorme. O travesti segurou naquela rolona e começou a mamar! Meu camarada
me chamou e mandou que eu comesse o travesti! Mas fiquei meio assim e disse que
não… Ia só ver… Mas meu tesão estava aumentando. Então, o travesti tirou a
roupa e ficou de pau duro! Nossa! Que rola enorme! Nunca imaginei que um
travesti pudesse ter um mastro daqueles. A essa altura, já não conseguia mais
disfarçar… até meu camarada se ligou: “_Vem cá! Vem
participar da festinha!”, disse o travesti, mexendo na rola e apontando
pra mim.  Fui até eles e meu
camarada encheu a mão na minha bunda: “_Sabia que eu sempre fui louco pra comer o seu
cuzinho?!”. E começou a enfiar os dedos no meu cú. O travesti foi logo
tratando de enfiar a rola na minha boca. Que delícia! Ele puxava minha cabeça
com força, batendo com a rola no fundo da minha garganta, me fazendo engasgar. “P” já estava
com a rola na entradinha do meu cú e começou a forçar. O pau dele era enorme e
grosso. Estava doendo, mas eu não conseguia falar com aquele mastro na boca.
Então “P” começou a ficar nervoso. Pegou um vidro de óleo de cozinha
e espremeu no meu cú. Fiquei com o cuzinho cheio de óleo. “Agora sim! Quero
ver se não vai entrar! Segura ele aí!” e ele começou de novo.
O travesti segurou minha cabeça com força. Deixando a rola
bem enfincada na minha garganta. “P” forçou e entrou com tudo! Senti
meu cú rasgando e lágrimas escorreram do meu rosto! Meu cuzinho ardia muito,
enquanto ele metia cada vez mais rápido e com força. “_Já, já
melhora!” dizia o travesti, enquanto me fazia chupar aquela rolona! Aos poucos, a dor foi
passando e arrisquei umas reboladinhas na rola do “P”. Ele ficou com
mais tesão, puxou minha cabeça pra trás e gozou na minha cara. “_Agora é a minha
vez!” Disse o travesti. “_Não… espera… deixa-me descansar um pouco!” “_Ah, queridinho… tempo é dinheiro e eu
estou morrendo de tesão! Se você não aguenta, vai ter que pagar por eu ter
vindo!”. Eu estava sem grana e “P” disse que não iria pagar
nada! Ele estava querendo era me ver gemer na vara do travesti! Tive de
concordar! “P” se posicionou na minha frente, colocando a rola (que
já estava dura de novo) na minha boca e fez igual ao travesti, colocando aquela
rolona na minha boca, enquanto o travesti socava a vara no meu rabo. A pica
dele era ainda maior e mais grossa que a do “P”. Mas meu cuzinho já
não doía tanto e eu estava adorando sentir aquela rolona no meu cú. Quando
o travesti foi gozar, ele me puxou, enfiou a rola na minha garganta e gozou!
Ele gozou muito e me fez engolir toda sua porra.
Depois disso, “P” ainda queria mais.
Ele não havia gozado de novo e ainda estava com tesão. “_Vamos tentar algo diferente
agora!” Ele pediu que o travesti deitasse na cama, em seguida,
me fez sentar na rola do travesti, virado de frente pra ele. “_Pera…
tá doendo!” “_Doendo?! Agora que vai ficar bom! Relaxa!” Eu
sentei na rola do travesti, deixando que ela entrasse quase toda no meu
cuzinho, em seguida, “P” veio por trás e começou a enfiar no meu cú. “_Ai…
Vocês vão me arregaçar! _Pera… tá doendo! Ai!”, mas “P” não
quis nem saber! Continuou a enfiar o pau no meu cú, enquanto o travesti dava
umas estocadinhas pra ajeitar melhor meu cuzinho pro “P”.
Ficamos ali por mais alguns minutos até que os
dois gozaram, enchendo meu cuzinho de porra! “P”
tirou o pau do meu cú primeiro. Em seguida, me levantei. Minhas pernas estavam
bambas, e senti uma enorme quantidade de porra escorrendo pela minha perna.

Depois que nos recompomos, “P” me
contou que já transava com o travesti há algum tempo, e que, como estava louco
pra me comer, ele precisava de uma desculpa. Daí, ele armou tudo com o travesti.
Fiquei puto com ele, mas fiquei de boa, pois, pra mim, foi
uma experiência maravilhosa. Repetimos a dose mais algumas vezes e chegamos a
fazer um Gang-a-Bang, mas depois eu conto. Depois disso, sempre
que posso, gosto de dar pra caras bem dotados e, sempre que posso, adoro
participar de bacanais onde eu possa ser o prato principal. Se quiserem me escrevam lapfulass@hotmail.com

Add a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *